4 de fevereiro de 2012Crônica Motor

Ele quer a Indy

Nesta semana bati um longo papo com Rubens Barrichello antes da gravação do programa ‘Altas Horas’, que vai ao ar neste fim de semana, na madrugada de sábado para domingo. O resultado desta conversa foi esta matéria publicada no GLOBOESPORTE.COM, na qual Rubens dá a entender que está muito próximo de competir na Fórmula Indy. É claro que há muitas questões ainda a resolver antes de optar por competir nos Estados Unidos. A opinião da família é a principal delas. Tanto que o piloto passará dois dias reunido com os pais, a esposa e os filhos em seu sítio no interior de São Paulo para colocar as cartas na mesa e ponderar os riscos de andar a quase 400 km/h em circuitos ovais.

O outro pilar da decisão é se realmente vale a pena fechar a porta da Fórmula 1. Mesmo que isso signifique, como ele mesmo admitiu na entrevista, manter-se em atividade do outro lado do Atlântico no caso de algum convite da Europa aparecer. Nada impossível, diga-se. Tirando as três equipes de ponta, que mantêm sólidos programas de desenvolvimento de pilotos, não há reservas à sua altura disponíveis no mercado. Na hipótese de um Kimi Raikkonen da vida tomar dois segundos por volta de um companheiro novato como Romain Grosjean, a experiência e a velocidade de Rubens seriam, de certa forma, um porto seguro para um time desse porte.

Seja como for, o fato é que os olhos de Barrichello falam por ele. Após andar no novo carro durante três dias, em vez dos dois programados inicialmente – e de ser o mais rápido na sessão final, na qual dividiu a pista com alguns nomes consagrados da categoria –, Rubens renovou a paixão pela profissão que adotou há mais de três décadas. Ele está ansioso para guiar, e a opção por um campeonato de carros potentes, no qual terá chances de vencer corridas, parece tentadora.

Para dar um ‘empurrãozinho’ na decisão de Rubens, é bem provável que a equipe KV e a própria IndyCar, promotora da categoria, se mobilizem para arranjar os meios necessários para montar um esquema de ponta para o brasileiro. A Chevrolet, dona do motor usado em seu teste, já está sendo cotada como uma das principais peças neste quebra-cabeça. E certamente não faltarão parceiros caso o piloto anuncie interesse em participar da São Paulo Indy 300. A bola está com Rubens, e ele parece querer a Indy. Meio caminho andado, já que a Indy certamente quer ele por lá.

Esta entrada foi escrita emCrônica Motor e tags , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.

Comentar

Seu email nunca será publicado ou distribuído. Campos requeridos estão marcados com *

*
*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Jornalista, 35, blogueiro, carioca, taurino, apaixonado e pseudopiloto de kart.