27 de maio de 2010Autoteca

Selos velozes: a primeira vitória de Webber

Após o Grande Prêmio do Mônaco de 2010, Mark Webber alcançou dois feitos inéditos em sua carreira na Fórmula 1: venceu duas provas seguidas e tornou-se líder do Mundial. Foi a primeira vez que um australiano ponteou a tabela desde Alan Jones, no início da década de oitenta.

Mas a boa fase do piloto de 33 anos demorou a chegar. A barreira da primeira vitória foi transposta apenas no GP da Alemanha de 2009, depois de mais de 130 corridas disputadas. O jejum dos ‘Aussies’ na categoria já durava tanto tempo que o fato de Webber subir ao alto do pódio rendeu ao piloto um selo comemorativo emitido pelo The Philatelic Group of Australia Post, responsável pelas estampas daquele país, em setembro – pouco mais de um mês depois da bandeirada em solo alemão.

Embora a cartela seja chamativa, ostentando imagens do pódio e do carro da Red Bull Racing, os selos em si não ficam para trás. São três versões, que mesclam fotos do rosto de Webber (com e sem capacete) e também uma imagem do RB05 no grid de largada. Em todas elas, uma ilustração mostra a grande ilha da Oceania acompanhada de três estrelas, representando seus filhos ilustres que conquistaram vitórias na categoria máxima do automobilismo.

Texto
Alexander Grünwald – About Grün

Todas as quintas o Fórmula Grün publica a seção Autoteca, analisando publicações dedicadas ou relacionadas ao esporte a motor, como selos, games, filmes e livros. Caso queira ter uma resenha publicada neste espaço, envie seu texto para alex@formulagrun.com.br, sem se esquecer de acrescentar a ficha técnica do material e a imagem para ilustrar o post. A ordem de publicação obedece a critérios editoriais, priorizando a qualidade dos textos e a relevância das obras.

Esta entrada foi escrita emAutoteca e tags , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.

Um Comentário

  1. Escrito 29 de maio de 2010 em 18:07 | Permalink

    Homenagem bacana, ele merece. E olha que ele nem foi campeão. Ainda.

    Grün, na verdade são 5 estrelas – e não 3 – compondo a constelação do Cruzeiro do Sul, que faz parte da bandeira australiana.

Comentar

Seu email nunca será publicado ou distribuído. Campos requeridos estão marcados com *

*
*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Jornalista, 35, blogueiro, carioca, taurino, apaixonado e pseudopiloto de kart.